Assista ao vídeo aula

https://youtu.be/B4erE4gXJ0c

Exercícios

01 - (UNESP-MODELO ENEM)

No Oriente Médio, a água é um recurso precioso e uma fonte de conflito. A escassez de recursos hídricos está aumentando as tensões políticas entre países e dentro deles, e entre as comunidades e os interesses comerciais. A Guerra dos Seis Dias, em 1967, foi, em parte, a resposta de Israel à proposta da Jordânia de desviar o Rio Jordão para seu próprio uso. A terra tomada na guerra deu-lhe acesso não apenas às águas das cabeceiras do Jordão, como também o controle do aquífero

que há por baixo da Cisjordânia, aumentando assim os recursos hídricos em quase 50%. (Robin Clarke e Jannet King. O Atlas da Água, 2005. Adaptado.)

Com base na leitura do mapa e do texto, pode-se afirmar que a água é uma questão importante nas negociações entre

a) o Iraque e os turcos.

b) os palestinos e a Síria.

c) o Líbano e a Síria.

d) os iranianos e o Iraque.

e) Israel e os palestinos.

RESOLUÇÃO:

A água, no Oriente Médio, é motivo de disputa, de negociações, principalmente entre Israel e os palestinos. Na Cisjordânia, temos a presença do Rio Jordão e do Mar Morto.

Resposta: E

02 - (MED-SJRP) – Qual das alternativas abaixo reúne apenas

países árabes?

a) 1, 2 e 8

b) 1, 3 e 8

c) 2, 3 e 6

d) 4, 5 e 6

e) 4, 5 e 7

RESOLUÇÃO:

Jordânia, Iraque e Arábia Saudita.

Resposta: E

03 - (UnB) – As Colinas de Golã, território estratégico e foco de disputa no Oriente Médio, tem como destaques em sua paisagem geográfica, o rio Jordão e o mar da Galiléia.

Acerca dessa região, classifique as afirmações a seguir em verdadeiras (V) ou falsas (F).

I. Israel conseguiu anexar as Colinas de Golã ao seu território por meio de povoamentos agrícolas, expandindo suas fronteiras e implantando colônias organizadas em cooperativas.

II. A maioria da população síria que ainda habita as Colinas de Golã é de árabes.

III. As Colinas de Golã compreendem uma região fundamental no complexo mapa da geografia de paz para o Oriente Médio, no que se refere à distribuição das reservas de água, à fixação das fronteiras e à segurança das diferentes etnias e religiões.

IV. Os direitos sobre o rio Jordão, cujas nascentes se situam no norte de Golã, são motivos de conflito entre Israel, o Líbano e os guerrilheiros do Hezbollah, que dominam a área.

V. O Mar Morto, localizado junto à região agrícola, constitui-se em fonte de abastecimento hídrico, após sua dessalinização.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

a) V – V – V – V – V.

b) F – F – V – V – V.

c) V – F – V – F – V.

d) F – V – F - V – F.

e) V – V – F – F – V.

Resposta: A

04 -

Os EUA permaneceram no Iraque entre 2003 e 2011. Após a

saída dos americanos, a guerra sectária no Iraque aumentou

entre

a) sunitas e xiitas

b) curdos e drusos

c) palestinos e judeus

d) chechenos e judeus

Resposta: A

05 - A OPEP (Organização dos países exportadores de petróleo) foi criada em 1960 em Bagdá, no Iraque por cinco países Irã, Iraque, Kuwait, Árabia Saudita e Venezuela, portanto, membros fundadores. O estatuto da OPEP distingue os membros fundadores e os membros de pleno direito, ou seja, os países cujos pedidos de adesão foram aceitos pela conferência. Embora sete dos países da OPEP sejam árabes a língua oficial da organização é a inglesa. Vários países foram membros dessa organização. Em 2016, a OPEP tinha como membros os países:

a) Oriente Médio: _______

Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuwait, (Catar saiu em 2018) e Emirados Árabes.

b) África______

Líbia, Argélia, Nigéria, Angola e Gabão (retornou em julho de 2016).

c) América do Sul: ____

Venezuela e Equador (retornou em dezembro de 2007).

__________________________________________________

Observação:

d) Sudeste Asiático: A Indonésia entrou na OPEP em 1962, suspendeu sua adesão em 2009, voltou, em janeiro de 2016 e novamente suspendeu sua adesão na 171.a Reunião da OPEP em 30/11/2016.

06 - (UNICAMP) – Apesar da elevada renda per capita, advinda da exportação de petróleo, o Oriente Médio encontra sérios problemas para seu desenvolvimento. O texto de David Harvey aponta características da globalização, o Oriente Médio faz parte desse contexto?

Faz cerca de vinte anos que “globalização” se tornou uma palavra-chave para a organização de nossos pensamentos no que respeita ao funcionamento do mundo. A palavra “globalização” entrou recentemente em nossos discursos e, mesmo entre muitos “progressistas” e “esquerdistas” do

mundo capitalista avançado, palavras mais carregadas politicamente passaram a ter um papel

secundário diante de “globalização”. A globalização pode ser vista como um processo, uma condição ou um tipo específico de projeto político. (David Harvey, Espaços de Esperança. São Paulo: Edições Loyola, 2006, p. 79. Adaptado.).

a) Identifique uma característica política e uma cultural do

processo de globalização.

b) Quais as principais críticas econômicas dos movimentos antiglobalização?

RESOLUÇÃO:

a) Entre as características políticas da globalização está o fato de que os países passaram, quase todos, a compartilhar o sistema econômico capitalista, pois a globalização coincidiu com o quase fim do sistema socialista, a partir de fins da década de 1980, o que permitiu a livre circulação do capital por países que antes apenas utilizavam o sistema socialista de produção. Entre as características culturais, observam-se situações contraditórias, pois, ao mesmo tempo em que a globalização propõe a dominância de conjuntos culturais hegemônicos (como a popularização de comportamentos ocidentais), por outro lado, permite a difusão de culturas locais que procuram se afirmar frente à imposição dos sistemas culturais hegemônicos (como é o caso da divulgação da cultura de povos minoritários), bem como as disputas entre diferentes comportamentos religiosos.

b) Entre as diversas críticas propostas pelos movimentos antiglobalização, está aquela feita à

predominância do sistema capitalista monopolista e financeiro, cuja tendência especulativa leva a uma enorme concentração de rendas. Essa concentração de rendas exacerba os núcleos de pobreza que

se espalham pelo mundo e adquirem as mais diversas formas como, por exemplo, a atuação do grande capital na concentração de terras em áreas subdesenvolvidas, eliminando as

áreas das culturas de subsistência, ou, a atuação de poucas empresas que controlam setores estratégicos, como a indústria farmacêutica, ou automobilística. Outra crítica recai sobre o processo de desregulamentação que permitiu o livre trânsito do capital e a especulação financeira capaz de impor sua forma de funcionamento aos enfraquecidos corpos estatais.

07 - ONU alerta para risco de recrutamento de jovens palestinos por terroristas

Analise as afirmações:

I. Construído há mais de uma década, o muro que separa cidades palestinas e israelenses reduziu de forma importante o número de ataques

vindos da Cisjordânia. Mas criou novas divisões na sociedade e fez surgir uma geração inteira que não conhece ninguém do outro lado.

II. Na cidade de Sebastia, no norte da Cisjordânia, o vice-prefeito, Mohamad Sad, não esconde o temor de que a falta de emprego, o muro e a desilusão entre os jovens fortaleça grupos extremistas.

III. A decisão de isolar a Cisjordânia com um muro foi tomada durante a Segunda Intifada, revolta palestina que teve seu início em setembro de 2000 – já havia trechos esparsos da separação. Defendida como uma medida de segurança, a barreira de concreto percorre parte do que seria a Linha Verde, na Cisjordânia. Em 2004, a Corte Internacional de Justiça indicou que a construção do muro era “contrária à lei internacional”.

Agora, com o presidente Trump chamando o muro de “exemplo” de eficiência e com a atenção internacional voltada para a guerra contra o Estado Islâmico, muitos acreditam que as chances de reverter o muro são praticamente inexistentes. “Um muro protege”, disse Trump à Fox News em janeiro, para defender sua ideia de construir uma barreira em toda a fronteira com o México. “Tudo o que você tem que fazer é perguntar a Israel. Eles estavam tendo um desastre total cruzando a fronteira. (O problema) foi resolvido em 99,9%”, afirmou.

IV. Em duas décadas, entre 1995 e 2015, a economia da Cisjordânia encolheu. Enquanto a população palestina sofreu uma expansão de 3,6% por ano, o PIB teve, em média, um crescimento de apenas 1%. O desemprego passou de 9% para 27%, enquanto o déficit comercial chega a 40% do PIB. Cerca de 60% das importações vêm hoje de Israel e, nas lojas e mercados, os produtos israelenses são onipresentes.

Estão corretas:

a) Todas as afirmações. b) Apenas I e II. c) Apenas II e III. d) Apenas I e IV. e) Apenas III e IV.

Resposta: A

08 - Para entender: O que é a solução de dois Estados Em 1948, com o fim da 2.ª Guerra e o Holocausto de 6 milhões de judeus, a ONU intermediou a partilha da Palestina, que previa a criação do Estado de Israel e o Estado da Palestina. Os palestinos então não concordaram com essa solução. Alegando agir defensivamente, Israel expandiu seu território em guerras posteriores, ocupando a Faixa de Gaza, o Sinai e a Cisjordânia. A partir dos acordos de Camp David, quando o Sinai foi devolvido ao Egito, e principalmente com os Acordos de Oslo, em 1993, a comunidade

internacional, liderada pelos EUA, passou a defender a solução de dois Estados como a melhor para o fim do confronto entre

a) Irã e Árabia Saudita.

b) Libano e Síria.

c) Turquia e Iraque.

d) Iêmen e Árabia.

e) Israel e Palestino.

Resposta: E

09 - A política do fuzil (2018)

Dois enviados do presidente norte-americano, Donald Trump, estiveram em Jerusalém e em Ramallah na quarta-feira, para ouvir do primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, e do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, as condições para um processo de paz. Trump considera um acordo entre israelenses e palestinos o troféu mais valioso de sua política externa. Outros presidentes norte-americanos já o tentaram. Mas, desde o acordo de 1993, que deu origem

à Autoridade Palestina, mediado por Bill Clinton, não tiveram êxito. Aliás, o único outro acordo também foi obtido por um democrata Jimmy Carter, entre Israel e Egito, em 1978. O governo israelense iniciou a construção de um novo assentamento na Cisjordânia em Iamkchaoi, na Judeia e na Samária.

Por sua localização, a nova colônia impõe mais um obstáculo a um território contínuo na Cisjordânia, já bastante fragmentada pela presença de 121 assentamentos autorizados e 102 não autorizados, que abrigam mais de 300 mil judeus. Sem falar em Jerusalém Oriental, que os palestinos reivindicam como sua futura capital, onde vivem 200 mil judeus.

Israelenses e palestinos concordam que os assentamentos não são um obstáculo intransponível a um acordo: é possível transferir parte deles e compensar os palestinos com áreas equivalentes em território israelense pelos que permanecerem na Cisjordânia.

(O Estado de S. Paulo, 25 jun. 2017.)

O texto refere-se à instalação de assentamentos de Israelenses

a) em territórios palestinos.

b) nas Colinas de Golã.

c) na Península do Sinai.

d) na Faixa de Gaza.

e) na Mesopotâmia.

Resposta: A

10 - Donald Trump acusa Síria de planejar novo ataque químico e dá ultimato ao país.

Analise as afirmações:

I. Sob a alegação de que a Síria prepara um novo ataque com armas químicas, os EUA afirmaram que Damasco pagará um “alto preço” se isso ocorrer. O ultimato dá à Casa Branca uma justificativa para agir caso esse armamento seja usado, o que permitiria a Donald Trump marcar diferença com o antecessor.

II. Em abril de 2017, Trump autorizou um ataque aéreo contra uma base militar do regime sírio da qual teriam partido os aviões com munição química lançada sobre a província de Idlib. O ataque matou 70 civis. O agente utilizado contra a população, segundo as principais suspeitas,

seria o gás sarin.

III. Apoiado pela Rússia, Assad nega as acusações de que suas forças tenham utilizado armas químicas contra a cidade rebelde de Klan Shikhoun, em Idlib.

IV. O líder sírio assegura que seu regime entregou, em 2013, todas as armas químicas que tinha em seu poder com base no acordo negociado com a Rússia, para evitar a ameaça de um ataque dos EUA.

(O Estado de S. Paulo, 28 jun. 2017.)

Estão corretas:

a) Todas as afirmações. b) Apenas I e II. c) Apenas I e III.

d) Apenas II e IV. e) Nenhuma afirmação.

Resposta: A

11 - Especialistas da Opaq (Organização para a Proibição de Armas Químicas) chegam a local de ataque químico na Síria. Organização vai investigar se houve de fato um ataque químico em Duma no dia 7 de abril de 2018, quando mais de quarenta pessoas morreram com sintomas de asfixia.

Os aliados da Síria no conflito são:

a) Rússia, Irã e Hamas. b) China, Coreia do Sul e França. c) EUA, Iraque e Israel.

d) Inglaterra, Turquia e Libano. e) Alemanha, Árabia Saudia e UEA.

Resposta: A

12 - Isolamento do Qatar eleva tensão no Oriente Médio

Analise as afirmações:

I. As consequências da decisão de ontem de quatro países árabes aliados de cortar relações diplomáticas com o Qatar, em razão de seus laços com o Irã, foram sentidas em toda a região, com cancelamento de voos e a maior queda na Bolsa do Qatar desde 2009.

II. A Arábia Saudita proibiu todos os aviões qatarianos de pousar no país e prometeu bani-los de seu espaço aéreo a partir de hoje, segundo a agência de notícias oficial. A companhia aérea estatal Etihad, de Abu Dhabi, e a Emirates, de Dubai, disseram que suspenderão todos os seus voos de e para a capital do Qatar, Doha, a partir de hoje.

III. A decisão de Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito de punir o Qatar, que é membro do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), por seu apoio a grupos islâmicos extremistas – e também ao Irã –, lança alguns dos países mais ricos do mundo numa disputa pelo domínio regional.

IV. A população do Qatar é menor que a de Goiânia, mas o país possui um fundo soberano com participação em empresas globais. O Qatar abriga ainda uma base do comando central das Forças Armadas dos EUA na região.

V. Os sauditas também acusam o Qatar de apoiar “grupos terroristas bancadas pelos iranianos” e que operam na província leste do reino e também no Bahrein. Não foram divulgadas provas desse apoio.

VI. O Qatar tem laços diplomáticos e econômicos com o Irã, mas não está claro o grau de proximidade dos dois países e nenhuma das notas de ontem fornecem evidências de cooperação próxima. A Arábia Saudita acusa ainda o Qatar de apoiar “grupos terroristas que querem

desestabilizar a região”, incluindo a Irmandade Muçulmana, o Estado Islâmico e a Al-Qaeda.

VII. O Qatar também teve papel importante no apoio a movimentos de protesto durante a Primavera Árabe e atuou contra os interesses sauditas e dos Emirados ao financiar o governo da Irmandade Muçulmana no Egito. O Qatar abriga membros da liderança do grupo militante Hamas, apoiado pelo Irã e que governa a Faixa de Gaza.

VIII. Apesar de ser um pequeno país peninsular, o Qatar é um gigante financeiro global. O país tem um fundo soberano de USS 335 bilhões, o Qatar Investment Authority (QIA), com investimentos em várias partes do mundo.

IX. Graças à receita obtida com as exportações de gás natural liquefeito (GNL) – o Qatar é o maior exportador do mundo, com 30% do mercado global –, o QIA é o 14.° maior fundo de investimentos do mundo. Gerido pela família real do Qatar, sua carteira de ativos abrange espaços comerciais em Nova York, blocos de apartamentos em Londres, carros alemães, marcas de luxo italianas e o time de futebol Paris Saint-Germain, entre outros.

X. Entre os maiores investimentos do QIA, estão: 17% de participação na alemã Volkswagen (US$ 11,58 bilhões, incluindo o valor das ações preferenciais); 9,75% na petrolífera russa Rosneft (US$ 5,49 bilhões); 8,49% na mineradora Glencore (US$ 4,51 bilhões); 5,97% no banco Barclays (US$ 2,76 bilhões); 6,1% no Deutsche Bank (US$ 2,2 bilhões, incluindo a participação dos xeques Hamad bin Jassim e Hamad bin Khalifa); 2,13% na Royal Dutch Shell (US$ 2,19 bilhões); 5,01% no Credit Suisse (US$ 1,49 bilhão); e 22% na rede de supermercado britânica Sainsbury (US$ 1,71 bilhão). (Internacional, 6 jun. 2017.)

Estão corretas:

a) Todas as afirmações.

b) Apenas I, II e IV.

c) Apenas II, V e VII.

d) Apenas VI, VIII, IX e X.

e) Nenhuma afirmação.

Resposta: A

13 - . Donald Trump exalta ruptura de países árabes com Catar, país com base militar dos EUA

Sede da maior base militar dos EUA no Oriente Médio e aliado crucial dos norte-americanos na luta contra o Estado Islâmico, o Catar transformou-se no mais recente alvo da política externa de Donald Trump difundida no Twitter. O presidente norte-americano exaltou , a ruptura de países árabes com o emirado, o que provocou uma crise diplomática.

(O Estado de S. Paulo, 7 jun. 2017.)

Na capital do CATAR, Doha, foi realizado uma das mais importantes rodadas comerciais entre 2001 e 2010 pela

a) OMC.

b) GATT.

c) OTAN.

d) OPEP.

e) UE.

Resposta: A

  • 1022 visualizações