Socialismo

É um sistema socioeconômico caracterizado pela economia planificada, fundamentada nos planos estatais e na propriedade social (estatal e/ou coletiva) dos meios de produção, com produção voltada para o bem-estar social, ausência da noção de lucro, do trabalho assalariado e da divisão de classes sociais. No século XIX, ainda durante a fase do capitalismo industrial, surgiram na Europa, com base na análise do próprio sistema capitalista, propostas de formas alternativas de produção e das sociedades nelas embasadas. Entra os muitos teóricos desse período, destacam-se Karl Marx e Friedrich Engels, que, mediante a análise histórico-econômica do capitalismo, concluíram que mudanças seriam inevitáveis. Karl Marx: formulador da teoria do socialismo científico, do materialismo histórico dialético, com Friedrich Engels.

Para Karl Marx, “pai do socialismo científico”, haveria duas fases no processo revolucionário socialista: num primeiro momento, os trabalhadores tomariam o poder, implantando a "ditadura do proletariado", em que o Estado assume todo o processo produtivo, tornando-se responsável por fábricas, máquinas, administração, saúde, segurança, planificação etc. Essa fase serviria de preparação para um momento final, o comunismo, quando o Estado seria extinto e formar-se-iam "comunidades" igualitárias capazes de prover todas as necessidades dos indivíduos.

Devemos considerar, porém, que a proposta de um mundo verdadeiramente comunista nunca deixou de ser uma postulação teórica. Os movimentos socialistas ganharam força na Europa a partir de meados do século XIX e início do século XX, culminando com a Revolução Russa de outubro de 1917 quando, lidera dos por Lênin, Stalin e Trotsky, um grupo de comunistas, chama dos bolcheviques, tomou o poder na Rússia, dando origem ao primeiro país socialista do mundo.

Se, após a Segunda Grande Guerra, a terça parte das nações do globo adotava o regime socialista, até o conflito apenas a URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) o adotava. Essa mudança de sistema econômico ocorreu em alguns países de forma revolucionária e quase sempre sangrenta, como em Cuba, China, Vietnã etc.; em outros, por determinação e interesse político, como na Líbia e na Síria, ou ainda como no caso do Leste Europeu, pela invasão e imposição soviética. Enfim, com esse histórico de ausência de democracia pluripartidária,o que a maioria das nações socialistas conhecia de fato era uma ditadura do Partido Único, que era ideologicamente justificada e privilegiava a “classe” política dominante, ou seja, a liderança do partido único.

Esse quadro de democracia às avessas se mostrou prejudicial e incapaz de solucionar questões básicas, como o suprimento das necessidades mais comuns de grande parcela da população.

Mudanças, no entanto, começaram a ocorrer em meados da década de 1980 na URSS. Sufocada por uma crise econômica sem precedentes, a URSS precisava mudar. Colocada em prática por Mikhail Gorbatchev, a política de reestruturação econômica – a perestroika – necessitava de liberdade política, fazendo-se acompanhar pela glasnost (abertura política). Os países alinhados militar e afinados economicamente com a URSS mudaram também, e mesmo aqueles que formavam um grupo de socialistas desagrega dos da URSS, como a República Popular da China, Albânia e Iugoslávia mudaram, embora em ritmos diferentes.

As políticas de liberalização propostas por Mikhail Gorbatchev provocaram o questionamento do socialismo soviético e agitações internas na URSS. Após um frustrado golpe reacionário em agosto de 1991, comandado por grupos do Partido Comunista soviético, a URSS entrou em colapso e se extinguiu em dezembro de 1991.

A federação soviética separou-se, cada República tornou-se independente e passou a adotar o capitalismo e o regime político pluripartidário. O retorno do capitalismo deu-se também nos países do Leste Europeu, formadores da antiga “Cortina de Ferro”. Essa mudança gerou, entretanto, problemas como elevadas quedas no sistema produtivo, o que reduziu o PIB e a renda per capita. Em 2008, Cuba e Coreia do Norte eram os únicos países a manterem o socialismo com parâmetros semelhantes aos soviéticos, enquanto a China, controlada politicamente pelo Partido Comunista, defendia a manutenção do socialismo com economia de mercado.

Resumo

Características Gerais do Sistema Socialista

  • Predomínio da propriedade pública ou estatal dos meios de produção. • Economia centralizada esta tal, regida pela planificação estatal.
  • Ausência de classes sociais, pois os meios de produção são controlados pelo Estado. A remuneração do trabalho, teoricamente, é feita segundo as necessidades de cada um, considerando-se, é claro, sua qualidade.
  • A produção é voltada funda mentalmente para atender, direta ou indiretamente, às necessidades da sociedade.
  • 277 visualizações