COMUNIDADE MONÁSTICA

O Espírito da Comunidade Monástica

Pertencente à longa tradição beneditina, a Comunidade do Mosteiro de São Bento de São Paulo segue a Regra de São Bento como mestra de vida monástica. Conforme entendiam os monges na Idade Média, interpretando o espírito da Regra, o lema de São Bento podia ser resumido pelo “ora et labora” – ora e trabalha. ">Acrescenta-se a esse lema “et legere”, ou seja, “e leia”, uma vez que, para São Bento, a leitura tem um espaço privilegiado na vida do monge, em especial a leitura das Sagradas Escrituras. Em vista disso, o ritmo da vida no mosteiro favorece o justo equilíbrio, temperando os momentos de trabalho (corpo), com a leitura (alma) e a oração (espírito).

Essa máxima da vida beneditina vem ao encontro daquela aspiração primeira e fundamental da vida monástica: uma vida de total entrega a Deus. Renunciando tudo quanto o separa de Deus, o monge procura alcançar a meta da vida contemplativa. A purificação do coração, nesse sentido, é a melhor expressão dessa busca, pois, como nos diz Jesus no Sermão da Montanha: “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8).

Com a assistência do Espírito de Deus, os monges dessa Casa procuram viver o ideal de vida há muito preconizado na Igreja, como um verdadeiro dom de Deus. Jesus Cristo – crucificado, morto e ressuscitado para nossa salvação e manifestação perfeita do amor de Deus – é o maior ideal dos monges, o qual eles devem sempre ter diante dos olhos, dia e noite. A obediência, humildade e espírito abnegação de Cristo inspiram sua conduta, e o amor de que nutrem por ele os orienta a assumi-lo como seu único Senhor, cuja comunhão de vida lhes garante as maiores recompensas espirituais.

A Liturgia

Na tradição beneditina, os momentos de oração em comum são caracterizados pela celebração da liturgia católica: a recitação do Ofício Divino, ou Liturgia das Horas, e a participação na Santa Missa. O zelo pela oração em comum fez com que os mosteiros fossem conhecidos pela liturgia bem celebrada. Essa piedade litúrgica não deixa a desejar também aqui em nossa Comunidade. A solenidade das celebrações, sua justa sobriedade e a tradicional pontualidade atraem um grande número de pessoas à nossa majestosa Basílica Nossa Senhora da Assunção, especialmente à Missa das 10h aos domingos.

Orgão de Tubos

Este magnífico e harmonioso instrumento, com mais de seis mil tubos, foi inalgurado em 1954, quando das comemorações dos 400 anos de fundação da cidade de São Paulo.

Fabricado pela Casa Walcker, da Alemanha, possui setenta registros reais, quatro teclados manuais e pedaleira completa. Encontra-se do lado esquerdo do transepto da igreja, sustentado por duas grandes colunas talhadas em carvalho. O conjunto artístico é uma alegoria da vida do monge, obra do artista Heirich Waderek.

O Trabalho

Como era o desejo de São Bento, os monges deveriam encontrar no Mosteiro o seu sustento, de tal maneira que evitassem a saída habitual dos claustros monásticos. O necessário resguardo do coração é observado por meio de algumas medidas concretas, como a reserva em mudar-se de mosteiro ou sair sem motivos plausíveis de seu ambiente de recolhimento e oração. Por isso, suas atividades são normalmente realizadas no âmbito do próprio mosteiro.

Os trabalhos realizados podem variar de acordo com as condições do lugar ou do momento. Pode-se dizer que, ao longo da história, os monges beneditinos desempenharam uma gama bastante vasta de tarefas, desde os trabalhos, assim chamados, mais humildes, como a limpeza dos recintos e o cultivo da terra, como os administrativos e intelectuais. Na maioria das vezes, cada monge desempenha diversas atividades no mosteiro.

A comunidade beneditina paulopolitana, entre outras tarefas internas e capelanias, ocupa-se do ensino, como o Colégio e a Faculdade de São Bento. Em 2003 o Colégio completou 100 anos de atividades, e a Faculdade completou seu primeiro centenário em 2008. A Faculdade goza da honra de inaugurar o primeiro Curso Superior de Filosofia da América Latina.

Seus Integrantes

Atualmente no mosteiro somos cerca de 45 monges, entre professos solenes, professos trienais, noviços e postulantes. A maioria é originária do Estado de São Paulo, porém contamos também com monges de outros Estados. Há apenas um monge alemão, dentre os monges alemães que vieram ao Brasil por ocasião da restauração beneditina no país, iniciada no início do século XX (ver histórico do mosteiro).

A Disciplina

São Bento não escreveu uma regra que primasse pelo rigor ascético nas observâncias cotidianas. Antes de tudo, o monge chega ao cume das virtudes e da contemplação de Deus por meio de uma vida de sobriedade e humildade. Deus se revela às almas simples que o procuram na sinceridade e generosidade do coração.

Com isso, São Bento diferia do espírito de seu tempo. Um número maior de pessoas podiam ingressar na vida monástica. Seu objetivo era que no mosteiro os fortes encontrem o que desejam e que os fracos não fujam. Orienta os monges com habitual docilidade: “Se aparecer alguma coisa um pouco mais rigorosa, ditada por motivo de equidade, para emenda dos vícios ou conservação da caridade, não fujas logo, tomado de pavor, do caminho da salvação, que nunca se abre, senão por estreito início.” (RB Prol,47s)

A disciplina da vida comunitária é marcada sobretudo pelos momentos em que os monges se reúnem para a oração comum – a Liturgia monástica – e para as refeições. Outros costumes compreendem a vida no mosteiro, como o silêncio nos Lugares Regulares, dentre os quais o Refeitório, e após o último Ofício do dia, as Completas.

O dia se divide da seguinte forma:

Despertar às 5h da manhã;

5h30, Ofício de Laudes;

6h15, Meditação;

7h, Santa Missa;

Seguem as atividades e trabalhos da parte da manhã;

11h45, Ofício da Hora Meridiana;

12h, Almoço;

Seguem as atividades e trabalhos da parte da tarde;

17h25, Ofício de Vésperas;

18h, Jantar;

18h30, momento de confraternização entre os monges;

19h, Ofícios de Vigílias e Completas; o silêncio monástico é observado até a Missa do dia seguinte.

  • 624 visualizações